Londres Viagem | Parques e Jardins | Visitar Londres

LONDRES parques e jardins

Uma cidade intensa, vibrante, sonâmbula, como LONDRES, requer disponibilidade dos que a visitam, oferecendo-nos, em troca, momentos e espaços de lazer e descontração. Os parques de LONDRES, são desses espaços de eleição, e um dos elementos incontornáveis da paisagem da cidade. São frequentes, atraentes, lúdicos, descontraídos. São cuidadosamente tratados e impecavelmente mantidos pela generalidade dos que os frequentam. Convidam ao relaxamento, ao divertimento, ao lazer.

Agradeçamos, por isso, à real coroa, a disponibilização dos seus terrenos e antigos territórios de caça, para nosso usufruto e merecido descanso! Como sugerimos no  Roteiro de LONDRES,  os parques têm obrigatoriamente de fazer parte do roteiro de qualquer visitante. Mais não fora porque, não é possível evitá-los e, mesmo que o quiséssemos, eles acabariam por se atravessar no nosso caminho.

LONDRES: 5 Parques Reais no centro de Londres

Vamos, pois, ao seu encontro, passeando-nos, ao longo de 7 km, pelos 5 parques reais do centro de LONDRES, na margem norte do Tamisa:

St James’s Park,

situa-se no coração da LONDRES monumental e política. É um parque bucólico por excelência e um dos mais bonitos da cidade, com belos lagos, árvores centenárias, patos, cisnes, amigáveis esquilos e simpáticos pelicanos, que constituem uma das principais atrações na hora de alimentar.
Dada a sua beleza e localização, oferece o cenário ideal para espetaculares desfiles como o Trooping the Color, que ocorre anualmente em junho no aniversário da Rainha.

Monumentos e edifícios de referência como Horse Guards, ou London Eye, a roda gigante na outra margem do rio, surgem-nos por entre a vegetação:

Green Park,

é, dos parque reais, o de menor dimensão, destacando-se pelo extraordinário colorido na primavera, onde predomina o amarelo dos seus inúmeros narcisos. Quando o tempo está de feição, é muito procurado pelos londrinos para piqueniques e banhos de sol. Também do séc. XVI, fica ao lado do palácio de Buckingham e em frente do Hyde Park.

Hyde Park,

é o mais famoso parque de LONDRES, e um dos mais famosos do mundo. É todos os anos frequentado por milhões de londrinos e turistas, que frequentam concertos e festivais de verão, praticam desporto ou lazer.
Caminhar, correr, andar de bicicleta, jogar ténis, montar a cavalo, nadar, escutar um orador improvável no Speaker’s Corner (a esquina dos oradores que já recebeu, entre outros, Karl Marx e George Orwell, e onde desde 1872 é possível discursar livremente, mesmo para dizer mal do governo), repousar confortavelmente na relva verde ou numa das chairs disponíveis para aluguer,

dar uma voltinha de gaivota, no lago Serpentine,

são alguns dos muitos atrativos que o parque tem para nos oferecer.

Kensington Gardens,

antigos jardins privados do Palácio de Kensington, ficam no prolongamento, para oeste, do Hyde Park. Ideais para apanhar sol, para correr e para piqueniques em família. Os mais pequenos podem brincar e divertir-se no Diana Memorial Playground (parque para crianças inspirado em Peter Pan). Para além dos belíssimos lagos e da imensa variedade de plantas e flores, podemos apreciar a estátua de Peter Pan e passear pelas Galerias Serpentine.

Podemos também visitar o palácio Kensington:

os Jardins Italianos:

e o Memorial ao Princípe Alberto:

Cumprido este magnífico itinerário, testemunhamos o que era percetível no roteiro: os parques St James’s, Green Park, Hyde Park e Kensington Gardens, formam um aprazível corredor verde que se estende do centro de LONDRES até ao lado ocidental da cidade.

Regent’s Park,

fica mais a norte, e é um dos mais bonitos e, sem dúvida, mais charmosos parques da cidade, com muitos atrativos para desfrutar: os Jardins da Rainha Maria, com as suas mais de 12.000 rosas de 400 espécies diferentes; o Teatro ao Ar Livre; o Zoo de Londres; o Primrose Hill, uma colina situada a norte do parque, frequentada por aves aquáticas e 100 espécies de pássaros selvagens; e, ainda, a maior área no centro da cidade para a prática de desporto ao ar livre.

LONDRES: 3 Parques Reais na periferia

Os 3 parques restantes são PARQUES PERIFÉRICOS, distando do centro de LONDRES aproximadamente, 21 km – o Bushy Park, 13 km – o Richmond Park, no sentido sudoeste, e 11 Km – o Greenwich Park, no sentido sudeste. Os 2 últimos, na margem sul do Tamisa:

Bushy Park,

é o segundo maior dos parques reais da capital. Combina bosques, jardins, lagoas e pastagens, e é um lugar fantástico para desfrutar da vida selvagem – é possível, por exemplo, avistar manadas de gamos, entre outra fauna numerosa, longe do bulício da cidade.

Richmond Park,

o maior dos oito parques, é Reserva Natural Nacional, o maior Sítio de Interesse Científico Especial de LONDRES e Área Especial Europeia de Conservação. Possui uma magnífica variedade de flora e fauna, e excelentes condições para a prática de variados desportos. É possível apreciar as cores e os cheiros da enorme variedade de plantas, caminhar lado a lado com os veados, correr, andar de bicicleta, pescar, jogar golfe ou râguebi.
Situa-se próximo do bairro de Wimbledon famoso pelo seu torneio de ténis.

Greenwich Park,

o mais histórico dos parques reais, remontando à época romana, tem associada uma curiosa lenda, bem menos longínqua, 1662, segundo a qual, o rei Carlos II, passeando pelo parque com sua esposa D. Catarina de Bragança, filha de D. João IV, de Portugal, resolveu oferecer-lhe uma flor; só que, em vez de oferecer a flor à rainha, ofereceu-a, por engano, a uma outra senhora que por ali passava. D. Catarina de Bragança, zangadíssima, teria ordenado que fossem arrancadas todas as flores do parque, restando apenas relva verde.

Apesar disso, ou talvez por isso, o parque de Greenwich não perdeu o encanto, tendo sido palco das provas de hipismo e pentatlo moderno nas Olimpíadas de 2012. Além do mais, integra a área, Maritime Greenwich, que desde 1997 faz parte da lista dos patrimónios da humanidade da Unesco, que abrange ainda o centro histórico e edifícios institucionais como o Museu Marítimo Nacional e o Observatório Real Greenwich, por onde passa (com marcação física no solo, visível na foto) o Meridiano de Greenwich, adotado como referência para as longitudes e fusos horários:

Temos naturalmente adotado referências essenciais para nossa orientação: o espaço e o tempo. E se, nos padrões do tempo mantemos o referencial (que não o rigor!) britânico, já nas questões do espaço, separam-nos distâncias mensuráveis… em pés e jardas, C.Q.D.!

Por nós, ficávamos por aqui. Mas o relógio do tempo impõe-nos que regressemos à cidade agora que o lusco-fusco se aproxima do cais de Greenwich. Viemos de autocarro, regressaremos de barco. Olhamos o rio da cidade, veremos a cidade do rio.

Tendo em contas distâncias ao centro de LONDRES, vale a pena consultar as várias opções de transporte, aqui em  LONDRES… de Transporte Público , sobretudo úteis para as deslocações na periferia.

A proposta de roteiro cultural, que fizemos em  LONDRES… Museus e Galerias , pode, com vantagem, ser feita a pé!

⇑ Topo

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: